Que bom que você veio!!


Que bom que você veio!!
Quero escrever textos que nos ajudem a entender um pouco mais daquilo que Deus tem para nós, para falarmos uma mesma linguagem. Não tenho o objetivo de ser profundo, nem teológico, nem filosófico, nada disso. Quero dizer coisas simples que pululam em minha mente, sempre atento para não contradizer em nada a minha fé, ou o que creio ser a vontade de Deus.
No mês de Agosto/12 há um texto que explica o significado e o porquê do nome Xibolete.

1 de ago de 2013

Eu queria que o Papa ficasse aqui.

Uma jovem falando da alegria por tudo que aconteceu nestes dias aqui no Rio, disse: “Eu queria que o Papa ficasse aqui”. Sério, eu também queria. Seria muito bom continuar vivendo tudo que aconteceu aqui nestes dias. Ver uma massa de pessoas em um único lugar, como na missa em Copacabana, sem tumultos, brigas, bebedeiras e outras tantas coisas que acontecem nestes ajuntamentos é algo para se elogiar e desejar que continue.

Foi muito bom ver grupos de jovens andando pela cidade com um bom propósito no coração. Várias línguas falando num só dialeto, o do amor, da paixão, da comunhão com outros iguais e com os diferentes, a linguagem da paz que Deus almeja de todos nós, a cooperação e tantas outras coisas mais.

E o Papa? Confesso que ele me encantou com suas palavras sempre bem corretas. Sua postura como servo humilde, sem prepotências como vemos em alguns que conhecemos. Ele conseguiu em uma semana o que em tantas décadas não conseguiram. Não me causará nenhum espanto se a igreja católica der um upgrade no Brasil depois desta visita.

Agora que o Papa foi embora, toda essa epidemia de boa convivência, amor, compaixão, ardor por Deus, e tudo mais que pudemos ver nestes dias continuará ou ficará na história apenas como mais um grande evento, como a Copa das Confederações, onde muita gente ganhou dinheiro, outros perderam, e outros nem ganharam nem perderam, e mais um gasto exorbitante do dinheiro público? Um evento que dirá que o Rio pode sim receber outros grandes eventos, apesar dos pesares.

O Papa foi embora, e se Deus é brasileiro, como o próprio Papa brincou, ou não, eu não quero saber. O que fica no ar é a pergunta sobre o que será feito com tudo que ele ensinou nestes dias.

Uma das frases dele é que precisamos nos deixar ser “surpreendidos por Deus”. Talvez todos tenham sido surpreendidos pelo Papa aqui nestes dias. Agora ele vai embora e não haverá mais esse contato tão “estreito” com ele. Será que a distancia não fará perder o encantamento, e a surpresa agradável não será substituída pela frieza, pelo esquecimento dos ensinamentos, e dará lugar a volta do antes da visita do Pontífice? O povo tão piedoso e cristão destes dias não voltará cada um para o seu próprio umbigo, como antes?

Sabe o porquê das perguntas?  É muito simples. Quando Cristo esteve aqui causou grande alvoroço, mudou a história, dividiu a história em antes e depois dele, e quando foi embora deixou prometeu: “Eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28:20). Então, temos a promessa da permanência diária dele conosco, a presença real dele ao nosso lado em cada segundo de nossa vida, e que importância temos dado para esse fato? Talvez se ele estivesse passado aqui esta semana, acontecesse um grande alvoroço também, mas e depois?

É totalmente válido para nós o texto irritado que Deus envia através de Malaquias: “O filho respeita o pai, e o escravo respeita o seu senhor. Se eu sou o Pai de vocês, por que é que vocês não me respeitam? Se eu sou o seu Senhor, porque não me temem? Vocês me desprezam, mas mesmo assim perguntam: ‘Como foi que te desprezamos?’” (Ml 1:6).

Eu gostaria que o Papa ficasse aqui. É verdade. Gostaria mesmo. A presença dele aqui, pelo menos durante um bom tempo, faria que as pessoas mudassem um pouco. Pelo menos por um tempo.

Mas Cristo está aqui o tempo todo. Não falo daquele Cristo lá no Corcovado que precisa de manutenção periódica senão cai, mas do Cristo que morreu e ressuscitou por nós. Ele está presente conosco o tempo todo. Então, proponho que tenhamos um pouco mais de reverência com a presença dele, e vivamos uma vida que o agrade. Que realmente represente a importância que ele tem para nós.


É assim que você tem vivido?