Que bom que você veio!!


Que bom que você veio!!
Quero escrever textos que nos ajudem a entender um pouco mais daquilo que Deus tem para nós, para falarmos uma mesma linguagem. Não tenho o objetivo de ser profundo, nem teológico, nem filosófico, nada disso. Quero dizer coisas simples que pululam em minha mente, sempre atento para não contradizer em nada a minha fé, ou o que creio ser a vontade de Deus.
No mês de Agosto/12 há um texto que explica o significado e o porquê do nome Xibolete.

3 de mar de 2016

Expectativas

Acabei de me mudar. Vim morar num apartamento que comprei na planta. É como comprar um carro zero, com aquele cheirinho de novo. É bem gostoso. Mas, ao mesmo tempo, é meio decepcionante. No caso do carro zero, o fator decepção, é menor, ou praticamente zero. O carro está ali no salão de uma concessionária, pontinho para você olhar, sentar dentro dele, observar os detalhes, ver a cor, acessórios, espaço, e tudo que você deseja. Você está vendo exatamente o que vai comprar.

Na compra de um imóvel na planta você vê, no book que te oferecem, o que poderá ser o seu imóvel. Você tem apenas algumas fotos criadas num computador que lhe sugere como será o objeto da sua compra. Naquelas fotos tudo parece uma maravilha, de grandes proporções, e criam a imagem de que você está comprando o próprio paraíso. E você fica sonhando com dia que entrará por aquelas portas quase celestiais.

Depois de muito tempo, por que os atrasos nas datas prometidas são certos, depois de problemas para documentação, financiamentos, um caminhão de certidões, um caminhão com todas as suas tralhas, lá está você de chave na mão às portas do paraíso. Mas, aí você descobre que o paraíso ainda não chegou. Aquela piscina que parecia o próprio oceano, não passa de uma pequena banheira. O salão de festas é apenas uma salinha que nem sua família cabe. O seu lugar de morar é muito aquém daquele que você viu nas fotos do book, e você fica se perguntando se perdeu a noção de metragem, pois ele parece muito menor.

O site significados.com.br diz que: "expectativa é o estado ou qualidade de esperar algo ou alguma coisa que seja viável ou provável que aconteça". Diz ainda que vem "do latim exspectare" e indica "a condição de alguém que tem esperança em algo que foi baseado em promessas".

Pensando em expectativas não tenho como não pensar no céu. Eu creio em Deus, creio na Bíblia e em tudo que ela revela. Todo o processo da Bíblia me leva na direção de que um dia eu estarei no céu, que é a promessa conquistada por Cristo, quando morreu por mim (Jo 3:16). E aí entra a expectativa de como será o céu. Será o céu a mesma situação dos imoveis vendidos na planta? Será que corro o risco de me decepcionar?

O book da Cidade Santa, Apocalipse, revela algumas características dela: "O muro era todo feito de diamante e a cidade era de ouro puro, semelhante a vidro límpido. Os fundamentos do muro da cidade estavam adornados com toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento era de cristal de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda; o quinto, de sardônica; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o décimo primeiro, de jacinto; o décimo segundo, de ametista. Os doze portais eram doze pérolas; cada um dos portais construído a partir de uma só pérola; e a rua principal da cidade era de ouro puro, reluzente como o vidro límpido" (Ap 21:18-21).

Na realidade espero por um lugar que não seja exatamente assim. Acredito que será um lugar mais aconchegante. Já escrevi em outro texto que o céu para mim é como se fosse um paraíso. A imagem descrita por João, em Apocalipse, foi a única que ele acreditou que poderia dar uma pequena ideia da grande beleza que viu. O desenho de João, para mim, é apenas uma imagem como a das crianças quando começam a querer desenhar. Um monte de rabiscos para todos os lados, que para elas, são imagens perfeitas daquilo que querem desenhar.

Seja como for o céu, com ruas de ouro ou não, ou um grande, lindíssimo e aconchegante paraíso ou não, eu tenho certeza que não me arrependerei da escolha que fiz. Sim porque há essa possibilidade. É uma escolha que podemos realizar enquanto estamos vivos, lógico. A Bíblia é muito clara sobre isso quando diz que há apenas duas únicas opções: "Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela" (Mt 7:13-14).

O caminho para o céu - porta estreita - é através do sacrifício de Jesus Cristo: "Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus", e "Quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele" (Jo 3:18,36). Quem crê optou pelo céu.

A outra opção é o inferno - porta larga -, e sobre ele C. S. Lewis disse: "Não há nenhuma doutrina que eu removeria de mais bom grado do cristianismo do que isto, se eu tivesse o poder. Mas essa doutrina tem o pleno apoio das Escrituras, e sobretudo das próprias palavras do nosso Senhor." A promessa bíblica é de um lugar horrendo. Não tenho a menor vontade de confirmar se a realidade do inferno corresponde a expectativa criada pela descrição que a Bíblia me revela. Alias, nem quero ter expectativa alguma.

Quais são suas expectativas para a vida futura? Você já fez sua opção? Pense nisso.