Que bom que você veio!!


Que bom que você veio!!
Quero escrever textos que nos ajudem a entender um pouco mais daquilo que Deus tem para nós, para falarmos uma mesma linguagem. Não tenho o objetivo de ser profundo, nem teológico, nem filosófico, nada disso. Quero dizer coisas simples que pululam em minha mente, sempre atento para não contradizer em nada a minha fé, ou o que creio ser a vontade de Deus.
No mês de Agosto/12 há um texto que explica o significado e o porquê do nome Xibolete.

19 de fev de 2013

Eu e o hipopótamo.

Qual é o seu animal preferido? Qual animal você acha que é o mais bonito de todos? Se você fosse um animal, qual gostaria de ser?

Tenho certeza que ninguém respondeu “hipopótamo” para alguma dessas perguntas.

O hipopótamo é um bicho que não tem muita beleza. Embora seja o terceiro maior em porte, só chama atenção pelo seu tamanho. Na maioria das vezes é um bicho tranquilão. Gosta de sombra e água fresca, pois passa maior parte do dia na água para se proteger do sol, e a noite vai comer gramas. Ele tem seu próprio protetor solar. Na água se movimenta com bastante facilidade. Em terra, quando em perigo, pode atingir até 50 km por hora, levando junto com ele tudo que encontrar pela frente como um tanque de guerra desgovernado.

Eu não gostaria de ser um hipopótamo.

Mas, se você não sabia, este bicho é considerado por Deus como o número um da criação. Não acredita? Então vai ler a Bíblia.

Depois que Jó e seus “amigos” falam sem parar, Deus chama Jó num cantinho e dá uma dura nele. Na minha interpretação Deus deve ter falado assim: “Ai Jó, você esta ai todo-todo, então vou te fazer umas perguntinhas bem básicas para ver se você realmente é esse bambambam todo, beleza?” Deus faz umas trinta perguntas para Jó, que deve ter pensado: “Em que fria eu fui me meter”.

Ele não tinha as respostas. No meio desta avalanche de perguntas Deus diz para Jó: “Contempla agora o hipopótamo, que eu criei como a ti, que come a erva como o boi” (Jó 40:15). Fala sobre a constituição dele. Um bicho forte, vigoroso, assustador. E, então, Deus diz de forma bem clara: “Ele ocupa o primeiro lugar entre as obras de Deus” (Jó 40:19).

Confesso que fiquei confuso. Um bicho feio daquele o número um? E eu, com toda a minha beleza, altivez, inteligência, sabedoria, disposição, integridade, imagem e semelhança de Deus, e muito humilde também, sou o que?

Ah sim, sou a coroa da criação. Por mais forte e poderoso que o hipopótamo ou outro bicho qualquer seja, não adianta, ele não será melhor que o homem, nunca. Os animais vivem pelos instintos, e os homens têm a capacidade de raciocinar, planejar, mudar as coisas, fazer diferente. O homem foi criado segundo a imagem e semelhança de Deus, segundo a narrativa da criação de Gênesis (Gn 1:26).

Antônio Neves de Mesquita, em seu comentário sobre o livro de Gênesis, diz que o homem “é um ser moral, racional e espiritual. Se em tudo mais ele se pudesse igualar com os outros animais, sua razão, espiritualidade e moralidade o tornariam infinitamente superior a qualquer outro animal. Além disso, tem consciência de que é reflexo de sua natureza moral, tem vontade livre e racional, tem capacidade de escolher inteligentemente. Estes predicados o tornam o rei de toda a criação”.

É uma infelicidade que o homem, por sua capacidade e liberdade de fazer escolhas, tenha optado por desobedecer a Deus, e com isso desfigurou essa imagem e semelhança. Hoje, a racionalidade, moralidade e espiritualidade do homem, ou talvez a falta de tudo isso, o leva a fazer coisas que “até Deus duvida”, mas que o Diabo tem certeza e aplaude. A sabedoria de Salomão já há muitos anos disse que “não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque” (Ec 7:20), e Paulo corrobora com esta afirmação dizendo que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3:23). O pecado tira perfeição da imagem e semelhança do homem com Deus.

“Não tenham medo. Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, o Senhor” (Lc 2: 10,11), disse o anjo para os pastores no dia do nascimento de Jesus. Portanto, todos nós que participamos da rebeldia contra a imagem e semelhança de Deus, temos a alegria de saber que temos uma forma de voltarmos ao projeto original.

Cristo veio para nos trazer salvação, que não se limita ao perdão dos pecados e ida para o céu, mas nos dá o Espirito Santo que nos tira da ignorância espiritual, e assim, “com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na sua própria imagem” (II Co 3: 18). A presença de Cristo em nossa vida, e a liberdade que damos para o agir do Espírito Santo em nós, nos devolve o que perdemos.

Acabou meu problema. Não tenho mais ciúmes do hipopótamo. Ele pode ser o bonitão, o fortão, a obra prima da criação, mas eu sou a coroa da criação, imagem e semelhança de Deus.

10 de fev de 2013

Como já dizia Vinicius...


A foto que enfeita o meu blog foi tirada por mim com um celular. Antigamente só tirávamos fotos com máquinas fotográficas, mas agora temos celulares que fazem de tudo e, às vezes, servem para telefonar. Pois é, estava indo para Paty de Alferes de ônibus e quando vi esta imagem não resisti, saquei meu celular e cliquei. Não sei se você consegue reconhecer o local. Para dar uma dica eu passava pela Linha Vermelha.

É um local que visto sem este sol lindo por trás, não tem a mesma beleza. Talvez até já tenha sido bonito, mas por causa da interferência do homem, hoje, as águas do mar que vemos ali são escuras e bastante poluídas.

É impressionante como a natureza nos encanta com sua força e beleza onde menos esperamos. Quando construíam o metrô no Rio, ali em Inhaúma, próximo ao que hoje é o Shopping Nova América, havia um lugar onde eram jogados entulhos de escavações. Ficou um lugar feio, cheio de lixo. Numa manhã de primavera passava por ali, também de ônibus, e vi uma grande quantidade de flores bem pequenas, com várias cores diferentes, que surgiram ali no meio de toda aquela sujeira.

Quem me conhece de tempos idos sabe que um dos meus versículos prediletos é: “O coração alegre aformoseia o rosto” (Pv 17:22), porque ele me da a certeza de que eu sou lindo. Nada, nem ninguém, pode me fazer pensar diferente. Só posso crer que é alegre um coração que tem a presença de Cristo. Como tenho certeza da presença dele em meu coração, o meu coração é alegre e, consequentemente, meu rosto é a formosura em pessoa. Concorda?

Parece uma brincadeira, mas para mim é uma grande verdade.

O padrão real de beleza deveria levar em consideração o interior da pessoa. Vivemos atolados até o pescoço pela massificação da beleza midiática sem nos importar com o que realmente é belo. O belo não é o que pode nos agradar somente aos olhos, pois, como escreve Antoine de Saint-Exupéry em O Pequeno Príncipe, "Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos". Foi isso que Deus ensinou para seu servo Samuel, na escolha de Davi, que quando viu Eliabe alto, forte e bonitão, pensou “Certamente está perante o Senhor o seu ungido. Mas o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque eu o rejeitei; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.” (I Sm 16:6,7). O escolhido de Deus era o pequeno Davi.

Para mim, o belo precisa agradar o todo. Estou saturado de ver pessoas com um padrão de beleza pregado como o melhor, que agrada aos olhos, mas que no envolver-se, causa enjoo. E, ao contrário, fico feliz de ver pessoas que esteticamente não seriam chamados nem de bonitinhas, mas que transmitem uma beleza que vem de dentro e transborda nos olhos compassivos, nas palavras edificantes e saborosas de se ouvir, na educação e no trato simples e elegante para com os outros. Pessoas que não dá vontade de sair de perto. Pessoas que são aconchegantes. É uma delícia estar junto delas. Têm o cheiro de Cristo.

Como na foto deste blog, que é a entrada para a Ilha do Governador, estas pessoas possuem um sol que brilha forte por trás delas que as fazem ser assim. Segundo o salmista, o nosso Deus é aquele que “converte o deserto em lagos, e a terra seca em nascentes. E faz habitar ali os famintos, que edificam uma cidade para sua habitação; semeiam campos e plantam vinhas, que produzem frutos abundantes. Ele os abençoa, de modo que se multiplicam sobremaneira; e não permite que o seu gado diminua” (Sl 107:35 a 38). Ele transforma os piores desertos em lugares habitáveis e frutíferos; transforma os corações em mananciais de águas puras, vivas, que transbordam, encharcam e contagiam as pessoas que estão ao redor. E existem muitas pessoas que são assim. Estar perto delas nos faz um bem tremendo.

Como já dizia Vinicius, “as feias que me perdoem, mas beleza é fundamental”, e eu concordo plenamente com ele. Esteticamente belos ou não, é fundamental buscarmos a beleza que a presença de Cristo provoca em nossa vida. A beleza que é conquistada com um relacionamento de profundidade com Ele; que é consolidada na intimidade diária com Ele. Esta é a beleza que é fundamental.

Aristóteles escreveu que: “A beleza salvará o mundo”, e eu assino em baixo. A beleza de Cristo salvara o mundo. A pura e cristalina beleza de Cristo refletida através de nós. Essa, sim, é fundamental!