Que bom que você veio!!


Que bom que você veio!!
Quero escrever textos que nos ajudem a entender um pouco mais daquilo que Deus tem para nós, para falarmos uma mesma linguagem. Não tenho o objetivo de ser profundo, nem teológico, nem filosófico, nada disso. Quero dizer coisas simples que pululam em minha mente, sempre atento para não contradizer em nada a minha fé, ou o que creio ser a vontade de Deus.
No mês de Agosto/12 há um texto que explica o significado e o porquê do nome Xibolete.

27 de jul de 2012

A “Nova Lei de Gerson”.


Durante muitos anos temos ouvido falar da tal “Lei de Gerson” que, segundo a Wikipédia, “é um princípio em que determinada pessoa age de forma a obter vantagem em tudo que faz, no sentido negativo de se aproveitar de todas as situações em benefício próprio, sem se importar com questões éticas ou morais”.

Esta “lei” surgiu a partir de um comercial feito por Gerson, o “Canhotinha de Ouro”, um grande jogador de futebol que defendeu a Seleção Brasileira que, mais tarde, se diz arrependido por ter associado seu nome a toda malandragem, ou jeitinho brasileiro, por causa deste comercial veiculado em 1976.

Hoje, 18/07/2012, estava ouvindo um programa no rádio do carro, e ouvi o Gerson, que participa do programa, dizendo que estava completando 48 anos de casado.

Só isso já bastaria, para mim, para derrubar toda a ideia de que ele pensava daquela maneira que o comercial criou. Gente, ninguém que realmente goste de levar vantagem em tudo consegue viver um relacionamento desse tamanho. Principalmente um relacionamento conjugal. Se ele não falasse mais nada já era o suficiente. Mas com a voz embargada continua dizendo que se não fosse pela esposa ele não seria o que é, e que isso só é possível com muita lealdade, sinceridade, honestidade, parceria; com o abrir mão de algumas coisas, e o esforço para começar a gostar de outras.

Eis ai a “Nova Lei de Gerson”. Estas palavras deveriam ser gravadas e colocadas no rádio, na televisão, nos outdoors, onde quer que todos pudessem ouvir e ver, para que todos aqueles que se deixaram influenciar pela antiga “”Lei de Gerson” percebessem que aquilo foi um equívoco, e assumissem a “Nova Lei de Gerson”.

Junto com ele eu chorei também. Como é bom e agradável ouvir uma coisa assim. Principalmente de pessoas com voz na nossa mídia. Pessoas que são ouvidas e que podem influenciar outras. Quem, que goste de levar vantagem em tudo, pode fazer um discurso tão honesto assim publicamente?

Talvez a Nova Lei de Gerson pudesse ser definida como “um princípio em que determinada pessoa age de forma leal, honesta, sincera em tudo que faz, em parceria com seu cônjuge, no sentido positivo de se aproveitar de todas as situações em benefício da melhoria do seu relacionamento conjugal e para a felicidade do seu cônjuge, sem se envolver em questões antiéticas ou imorais que impeçam a manutenção do seu casamento até que a morte o termine”. Creio que é o mesmo principio deixado pelo apóstolo Paulo quando diz que “tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fl 4:8).

Eu nunca acreditei que Gerson tivesse um caráter que representava a Lei de Gerson, agora passo a admirá-lo mais ainda. Foi um “cracasso” nos campos (só poderia ter jogado no Fogão), é um grande comentarista e, agora sei, é um “cracasso” no campo familiar.

Valeu Gerson! Foi mais um daqueles lançamentos fantásticos, agora, no campo do amor. Mesmo não sabendo jogar bola, vou matar no peito, vou marcar um golaço e vou correr para o abraço.

20 de jul de 2012

Melhor “melhor amigo”.


Há alguns anos atrás presenciei um momento bem interessante entre dois amigos. Em uma festa de casamento João Vitor e Elias estavam sentados em um canto, e percebi que eles estavam com um aspecto de tristeza que me deixou intrigado. Por que duas crianças estariam tão tristes em uma festa?

Mais tarde descobri que o cachorrinho do João Vitor tinha morrido e o Elias estava ali para prestar-lhe consolo. Fiquei admirado com aquele gesto de amizade entre duas crianças. A compreensão da dor do outro colocou uma grande farra em uma festa em segundo plano.

Talvez esta seja uma das maiores expressões da verdadeira amizade: a dor do outro é também a minha. Isto tem sido uma raridade entre nós. A cada dia que se passa vemos que cada um pensa mais e mais apenas nas suas dores, e isto é suficiente para não querer viver as dores do outro. Temos sido muito egoístas. Sabemos muito bem onde está o nosso umbigo, mas o dos outros, que me importa onde ele está?

A Bíblia também fala de amigos, mas não quero me preocupar com os “amigos” de Jó. Quem precisa de amigos como aqueles? Não quero os amigos do livro de Provérbios que quase sempre são apenas interesseiros. Quero pensar no amigo Cristo, que nos dá uma lição de verdadeira amizade: “Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” (Jo 15:13). Isto, sim, é verdadeiro amigo.

Você tem algum amigo que daria a vida por você? Você daria a sua vida por um grande amigo? Seja honesto. Eu não sei se faria isso. Provavelmente fizesse pela minha mãe, meu pai, minha esposa, minhas filhas e, agora, por minha netinha, mas qualquer outra pessoa além dessas seria um caso a pensar, e bastante.

Às vezes fico envergonhado por pensar que não tenho sido um bom amigo para Jesus, pois logo depois ele diz: “Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando” (Jo 15:14). Perto do que ele fez por mim, eu não tenho feito nada por ele. Tenho me esforçado para ser melhor. Tenho procurado entender cada vez mais a sua vontade; tenho tentado pensar como ele e olhar para o outro como ele. Desejo muito ser o mais parecido possível com ele. Quero ser um dos seus melhores amigos.

Logo depois ele diz: “chamei-vos amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos dei a conhecer” (Jo 15:15). Uma prova de grande amizade é não esconder informações preciosas, e em momento algum, Jesus deixou de falar aos seus discípulos sobre tudo o que o Pai queria. Por esse motivo, hoje, nós temos conhecimento de tudo o que Deus quer de nós.

Entre os pedidos de Jesus para nós, está o de propagar sua mensagem. Como melhor amigo, nos contou tudo sobre o Pai, e nós como seus amigos temos o dever de fazer a sua vontade: contar tudo sobre Deus.

No Dia do Amigo, vale lembrar do nosso grande amigo Jesus. Um amigo que vai ao extremo para nos livrar de um grave problema dando a própria vida. Um amigo que deseja que apenas realizemos aquilo que pede, que não é difícil nem impossível de se fazer. Um amigo que não tem segredinhos, mas conta tudo de importante aos amigos.

Eu tenho uma “melhor amiga”, a Isabella. Aqui em casa somos todos chamados de “melhores amigos” dela, e ela é nossa “melhor amiga”. Apesar de outros grandes amigos, que também posso chamar de “melhores amigos”, eu tenho um melhor “melhor amigo”, que é Jesus Cristo.

Quem é o seu melhor amigo? Você tem muitos amigos?

Mesmo que você tenha muitos “melhores amigos”, meu desejo é que Cristo seja o seu melhor “melhor amigo”.

Feliz Dia do Amigo.

13 de jul de 2012

Será que no céu vai ter rock?


Hoje, 13/07, é o Dia do Rock. Penso que o ano deveria ser maior para que não houvesse superposição de datas. Em alguns dias são várias coisas que devem ser comemoradas. Acho que isso complica um pouco. Se eu gostar de duas ou mais coisas que possuam o mesmo dia para comemorar o que fazer? Preciso pensar bem e comemorar com equilíbrio para não deixar uma com ciúmes da outra.

Mas, hoje é o Dia do Rock. Nem procurei saber o que mais tem nesse dia para comemorar. Ouvi alguns rocks hoje, em comemoração. Por mais que ele seja demonizado por alguns, o rock é um estilo de música que eu gosto. Alias, é o que eu mais gosto. Gosto do som pesado das guitarras. Lógico, ouço rock com letras cristãs que tenham uma boa letra. Tenho bom gosto.

Já quase apanhei em uma igreja porque numa mensagem eu disse que quando chegasse ao céu, procuraria um cantinho onde rolasse um rock e iria para lá. Uma irmãzinha me segurou na porta e chamou a minha atenção. Afirmou categoricamente que no céu não haveria rock. Confesso que fiquei triste. Não por ter levado um puxão de orelhas, mas por pensar que no céu não haveria rock.

Até hoje não sei dizer com certeza se haverá ou não, mas não deixei de gostar do rock. Como me faz bem ouvir Oficina G3, Fruto Sagrado, Metal Nobre, minhas preferidas, e outras bandas que tocam um bom rock cristão. Será que não haverá rock? E pagode? Música clássica? Samba? Funk? Qual será o estilo de música que toca no céu. Qual ritmo rola no louvor dos anjos?

Creio que esta é uma pergunta que só teremos resposta quando lá chegarmos. Mas penso que Deus criou o rock. Não vejo o Diabo como criador de nada. Ele tão somente corrompe, desvirtua, altera o modo normal de uma coisa, torna algo contrário às leis da natureza e da vida moral, muda o bem em mal. Ele é um enganador que altera as coisas criadas por Deus para enganar as pessoas, fazendo-as crerem que estão no caminho certo. Ele tem feito isso até mesmo com igrejas. Foi disso que Paulo o acusou quando chamou a atenção de Elimas, o mágico: “Ó filho do Diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os caminhos retos do Senhor?” (At 13:10).

Houve uma era na igreja cristã, não muito distante, em que as guitarras, as baterias, eram coisas do Demo. Hoje ainda temos alguns resquícios disso. Mas, no geral, são mais presentes nos cultos. Em algumas igrejas são controladas pelos pastores ou ministros de música que regulam seu funcionamento, sua altura, etc. O próprio rock já é um pouco mais aceito em alguns cultos. Principalmente nos cultos direcionados aos jovens e adolescentes, e isso me agrada muito.

Seja qual for o estilo musical no céu, uma coisa é certa para mim: É para lá que eu vou. Tenho certeza absoluta. Creio que essa rapaziada que anda por ai, mandando ver com suas guitarras e baterias, produzindo um louvor delicioso no ritmo acelerado do rock’n roll, também irá para lá.

E ai eu pergunto: com toda essa galera por lá, não vai rolar um rock? Tudo bem Senhor. Só a tua companhia já me satisfará por completo.

E você? Qual estilo de música ouvirá? Quem estará com você?

7 de jul de 2012

Duas frases.


Li uma entrevista do lutador Anderson Silva, numa revista, e duas frases dele me chamaram a atenção. Segundo ele, eram ensinamentos de Bruce Lee.

A primeira frase diz que o lutador deve “ser como a água, moldável ao corpo do oponente”. Esta frase pode ser importante para o nosso dia a dia. Para nós, cristãos, ela pode ser fundamental. Não diria que precisamos tomar a forma do nosso oponente, o Diabo, mas creio que o mesmo ensino pode ser utilizado quando o apóstolo Paulo nos avisa: “E não vos conformeis a este mundo” (Rm 12:2).

Muitos cristãos estão por ai, como a água, tomando a forma do mundo.

Houve um tempo, e isso não é nenhum ataque de saudosismo, em que era possível diferenciar, em um grupo, quem era ou não um cristão. Hoje já não vemos muita diferença. Nem mesmo os assembleianos, que tinham uma marca que os destacava muito em um ambiente, são mais assim. Em busca da modernidade, estamos nos adaptando ao mundanismo que tem invadido nossos templos, e temos vivido a era do “não tem nada de mais”. Ao invés de modernizar a forma de pregar o evangelho, estamos modernizando os princípios do evangelho. Temos, como a água, tomado a forma do mundo para ganhar o mundo, mas na realidade estamos sendo tomados pelo mundo. Temos fechado os olhos para o alerta de Paulo.

Fico imaginando se o apóstolo Paulo, vivendo em nossos dias da mesma forma como temos vivido, teria a cara de pau de dizer: “Sede meus imitadores, como também eu o sou de Cristo” (I Co 11:1).

Isto ao mesmo tempo me envergonha e me mostra o quanto temos que melhorar.

Pensando no principio de assumir a forma como a água, vejo que precisamos tomar a cada dia a forma de Cristo. Conhecê-lo profundamente para sermos cada vez mais parecido com ele. Vivenciarmos mais e mais a sua presença em nossa vida, e aprofundarmos a intimidade para assumirmos completamente a sua forma e, finalmente, voltarmos à imagem e semelhança dele; ter a sua mente; amar como Ele amou; perdoar como Ele perdoou; viver como Ele viveu e como gostaria que vivêssemos.

Vivendo essa intimidade com Cristo, o Espírito Santo teria liberdade total para agir em nossa vida e, então, estaríamos vivendo o que Paulo nos ensina, em sua carta aos efésios: ”Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes permanecer firmes contra as ciladas do Diabo” (Ef 6:10,11). Esta armadura é a nossa arma de defesa, não de ataque. Creio que o que nos tem faltado é justamente nos apropriarmos deste meio de defesa. Estamos muito motivados a atacar, mas sem a proteção adequada, sem a defesa bem preparada, sofreremos bem mais. As dores serão muito grandes.

Somente o viver diário na presença de Deus, a busca constante de intimidade com Cristo e liberdade para a ação plena do Espírito Santo, conquistados através da leitura diária da Palavra, da constante oração, da comunhão com outros irmãos, do exercício da fé, nos revestirá da armadura própria para nos defender dos ataques do Diabo.

Aqui entra a segunda frase de Anderson Silva: “Vejo a arte marcial como uma arte de defesa e não de ataque”. A vida cristã levada a sério é muito mais uma defesa do que um meio de ataque. A prática correta do cristianismo nos dá ferramentas para nos fortalecer e nos proteger dos ataques diários.

O lutador que não sabe se defender, que só ataca, corre risco sério de perder sua luta vergonhosamente. O cristão que não se previne adquirindo sua defesa, sua armadura, corre sério risco de ser finalizado sem nenhuma chance de revanche.