Que bom que você veio!!


Que bom que você veio!!
Quero escrever textos que nos ajudem a entender um pouco mais daquilo que Deus tem para nós, para falarmos uma mesma linguagem. Não tenho o objetivo de ser profundo, nem teológico, nem filosófico, nada disso. Quero dizer coisas simples que pululam em minha mente, sempre atento para não contradizer em nada a minha fé, ou o que creio ser a vontade de Deus.
No mês de Agosto/12 há um texto que explica o significado e o porquê do nome Xibolete.

4 de abr de 2014

A patinação e o casamento

Eu creio na instituição do casamento! O casamento é, talvez, a maior prova de que é possível, sim, conviver apesar das diferenças. Penso que se eu fosse igual a minha esposa nosso casamento seria muito chato. Não sei se aguentaria alguém que fosse exatamente como eu, esquisito. Graças a Deus ela é o meu oposto. Mas apesar disso convivemos muito bem.

Estava vendo as olimpíadas de inverno e fiquei observando a patinação em duplas. Ali está uma perfeita situação de um casamento que dá certo. Existe naquele exercício uma cumplicidade que deveria ter no casamento. Eles estão sempre juntos. Só podem ficar separados por alguns segundos. Na maior parte do tempo estão sempre indo em uma mesma direção. Todo movimento é sincronizado.

Como seria bom se assim fosse a realidade dos casamentos. Se todo movimento no casamento fosse feito olho no olho, lado a lado, um apoiando o outro, em cumplicidade, as coisas seriam bem diferentes. Às vezes, o que vemos são dois competidores querendo ganhar uma competição que é, no mínimo, burra. Na patinação, quando uma dupla ganha, são os dois que ganham, mas se um cai durante a apresentação, os dois perdem. Não existe a vitória de um dos dois. Ou os dois vencem, ou os dois perdem. No casamento é assim também.

Nas apresentações em duplas, formadas por um homem e uma mulher, os movimentos são similares aos da apresentação solo, adicionados dos movimentos que só podem ser executados em dupla, tais como os levantamentos e piruetas sincronizadas, em que o casal gira ao mesmo tempo. No casamento deve acontecer a mesma coisa. Os dois continuam sendo dois com suas individualidades, mas também são um, combinando suas características para realizarem movimentos cada vez mais interessantes e emocionantes. Existem coisas que, no casamento, não da para fazer sozinho. É preciso apoio, companheirismo e um olhar atento para alertas necessários.

Em outro movimento o homem lança a mulher para a execução do salto e no final apóia a descida dela. Durante todo vôo dela ele está atento para recebê-la na volta. Quantas mulheres estão tentando levantar vôos em seus casamentos, alcançar marcas que melhorem suas vidas, mas são inibidas por homens que não conseguem entender seus anseios, ou são machistas demais para permitir que a esposa voe e ele não. Conheci um casal que vivia esta dificuldade. A mulher não pode fazer um curso para trabalhar com crianças, na igreja, porque o marido era motorista de ônibus e ela não poderia ser mais "estudada" que ele. Infelizmente, a mãe dele, uma líder na igreja, apoiava essa sandice.

A patinação em duplas é um perfeito exemplo do texto de Paulo para a igreja de Éfeso: "Mulheres, sujeitem-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o Senhor" (Ef 5:22). A submissão da mulher ao homem na patinação em duplas é perfeita. Ela se coloca inteira a seus cuidados e proteção, pois sabe que ele vai ter todo o cuidado necessário para que os dois vivam uma perfeita harmonia, digna de uma medalha de ouro. Por mais que ela tenha performance particular, sempre está em perfeita sintonia com ele, que guia todos os movimentos.

Paulo continua sua orientação para os maridos dizendo: "Marido, ame a sua esposa, assim como Cristo amou a igreja e deu a sua vida por ela" (Ef 5:25). Dar a vida pela esposa. Você marido, que está lendo este texto, daria a sua vida pela sua esposa? Este é o ensinamento. Se os maridos amassem suas esposas de maneira que elas percebessem que eles seriam capazes de dar a própria vida por elas, com certeza, seriam as mulheres mais felizes do mundo. Infelizmente, existem muitas esposas que fingem felicidade para manter seus casamentos.

E Paulo ainda vai mais fundo: "O homem deve amar sua esposa assim como ama o seu próprio corpo. O homem que ama a sua esposa ama a si mesmo" (Ef 5:28). Paulo realmente sabe das coisas. Quando você ama uma pessoa da mesma forma que ama a você mesmo, o retorno que você tem é inigualável. Toda pessoa que é extremamente amada ama sem restrições. Se você reclama que não é bem tratado por sua esposa, pode ser você mesmo o responsável por isso.

A patinação em duplas deveria ser um exercício obrigatório para todo casal. Talvez fosse uma ideia bem legal que todos os casais fizessem aulas de patinação em duplas. Assim eles aprenderiam toda aquela plasticidade de relacionamento a dois. A cumplicidade, a suavidade, a sensualidade, o apoio, a segurança, a entrega incondicional, o cuidado, o lançar e o trazer de volta com segurança e carinho, são coisas que fazem falta no casamento e sobram na patinação em dupla.

A patinação em duplas e o casamento têm tudo em comum. Pratique os fundamentos da patinação em duplas no seu casamento, e viva a deliciosa sensação de ganhar uma medalha de ouro todos os dias.

3 comentários:

  1. Edificante mensagem, irmão Ulicio. Que a potente mão do Senhor esteja contigo !!!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom sua explanação sobre a comparação entre a patinação e o casamento irmão Ulício, Deus continue a te inspirar em imprimir o que pensas em palavras.

    http://www.ezequiel-domingues.blogspot.com.br/

    @Ds83Ezequiel

    https://pt-br.facebook.com/ezequiel.dominguesdossantos.7

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, pois é sempre bom saber o que você pensa.